Translate

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

CLODOVIL, RELEMBRADO POR ARARÍPE COUTINHO

RENDA-SE A ARARÍPE COUTINHO


Seria a renda que recobre e revela a figura de Ararípe Coutinho a renda de algum vestido de noiva de Clodovil?

ENTÃO RENDA-SE AO DEMÔNIO QUE É O AMOR.
Versos de Ararípe coutinho.


XLII


Adentro avesso e o reto

É vulva aberta, mucosa

No inferno de nossos dentros.


Espeto o desejo como quem

Procura o risco, o medo, a coragem

De avançar perdido por algo que sei

Desde a infância, aurido.


Homem é sempre treva. Mas pode

Trazer o mundo para dentro de nós.

E a arte nessa selva é sempre

A morte.


Invento de muros. Paredes altas.

Consumo de felicidades mortas

E a maçã no escuro é Clarice

Sem decifrar GH, seu mito.


Estou apodrecendo como

Quem constrói uma catedral

Sem missa. Assim rendido no portal

Avanço sempre que me vejo.


Sou um mesmo homem

Que não conhece deus, mas que o ama.

Seria o amor assim? Este nunca vir.


Sim. É desejo o que me mata.

São negros e azuis e o quarto cabe

Cada um com seu poder.


Eu sempre rendido.



ARARÍPE COUTINHO RELEMBRA A CASA DE CLODOVIL E ASSIM CLODOVIL.

Por AraripeCoutinho

Quando subi a montanha, digo, a ladeira, que dava acesso à casa do Clodovil, em Ubatuba, desesperadamente cansado, depois de uma viagem de 1 hora e pouco de São Paulo, vi aquelas dezenas de jarro imensos com plantas, de cor sépia, até chegar ao portão eletrônico, onde um guarda abriu a garagem e fechou a cara, quase não respondendo ao meu boa tarde. Na estrada, eu e Clô, havíamos parado para comprar queijo e água de coco e fomos à uma conveniência, onde ele, com um casaco vermelho sobreposto sobre a camisa bege, estava deslumbrante. Crianças davam escândalo para ele calçar as sandálias da humildade, e pediam fotos, e homens, bofões casados pediam também flashes. Clodovil era a própria diva. Ao adentrar na parte de livros e revistas, ele disse: pegue o que vc quiser. Achei aquele pegue o que vc quiser o máximo. E peguei 300 reais de revistas e jornais, - achei ainda pouco, e pedi a coleção de Chat Backer que estava única, tadinha, perdida no balcão de pagamento. A Clô nem ligou, aliás o Clô. Eu adorei tudo. Seguimos. Mas voltando à entrada da casa, pude fantasiar aquele lugar lindo. Depois de me mostrar a casa toda, eu exausto e chato, pude ver que as suas peças não eram, de fato, lá tão caras, mas tudo muito de bom gosto e encaixado. Tinha quadros que mereceriam a fogueira, e outros como o pintado com a fotografia dele e assinado não me lembro o nome e a fama agora, que compunham o ambiente que eram o máximo de glória! Era tudo muito bem desenhado, flores sempre nos jarros e nas mesas e muita elegância na hora das refeições. Pratos com as iniciais dele: CH, lençóis e toalhas divinas e muitos funcionários. Muitos. Brinquei com ele dizendo que ele me lembrava Versace. A Clô, que de rogada não tinha nada, disse “deixe de ser cafona, veado”, aquela Versace era só ouro e dobradiça. Estrebuchei de odio. Haviam CDs bárbaros , livros divinos e muita, muita iguaria e bebida para vararmos a noite. Mas era tudo um pouco-muito-triste quando anoitecia. Não haviam homens, nem sexo. Só no apartamento da República do Líbano, em São Paulo, mas tudo muito comedido. Às vezes Clô se encantava com o visitante, e o levava conosco para o jantar. Era o máximo! Ele deitava na sua cama, eu ao lado, luzes de lad para as roupas não ganharem mofo e ele dormia solenemente envolto a sedas, travesseiro de pena de ganso e, vez por outra, acordava e dizia: para de mexer no que vc não sabe. Eu já estava louco mudando os mil e um canais de TV. A casa de Ubatuba era o sonho de Clodovil que agora deve ser transformada em Instituto ou Casa Izabel Hernandez, se o trâmite judicial não demorar mais um século. A casa está avaliada em mais de 4 milhões de reais, possui dezenas de aposentos e passagens secretas. Clodovil, que nos deixou há dois anos, em 2009, não deixou herdeiros, mas deixou em seu testamento o pedido para transformar a mansão em uma fundação beneficente para orfãs, que terá o nome de sua mãe adotiva.
Possuidor de um senso de humor incrível, que beirava às vezes ao mau gosto, Clodovil foi insuperável em tudo. A casa continua com sua presença- batendo as portas e servindo kiwi com maçã verde, no café da manhã, e ainda ouço a sua voz dizendo: declame para mim Mário Faustino. E assim foi. E assim era. Um dia, voltará a ser.


Ver o blog BonecaComDefeito é rever Clodovil Memória Brasil.



Danian.

3 comentários:

Anônimo disse...

Olá,vejo que vc consegue coisas raríssimas do clodovil! será que vc não conseguiria, e postaria aqui um "depoimento" feito pelo clodovil na época da campanha eleitoral dele?É um vídeo onde ele fala da sua vida, sua carreira..No youtube só tem uma pequena parte.Gostaria de vê-lo inteiro.Se vc pudesse seria ótimo!

clodovilmemoriabrasil disse...

Caríssimo,

Lamento em dizer que atualmente não disponho desse material, porém se futuramente conseguir, postarei da melhor forma possível.


Danian.

Anônimo disse...

Ah, que pena! Veja se vc não consegue prá gente..! :) Seria possível?
Felipe