Translate

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

CASANDO COM CLODOVIL




Clodovil, logo após sua saída da rede tv, passou a criar vestidos de noivas para a publicação: Casando com Clodovil. Era uma forma de continuar fazendo moda, e manter seu nome ativo no cenário artístico nacional. Foram algumas publicações apenas, mas serviu para Clodovil exercitar o seu refinado gosto em belas criações românticas. O branco tradicional predomina nos vestidos, porém não como símbolo de castidade, mas de pureza de sentimentos. Mestre na criação de arranjos florais, Clodovil quebra levemente o branco reluzente dos nobres tecidos com as cores variadas de seus buquês. Clodovil substituiu o véus por arranjos florais nos cabelos das noivas, capas e capuzes completaram alguns trajes. A cauda manteve extensa em quase todos modelos. Revendo a revista, pensei, por que não planejar um casamento, testar a minha capacidade em organizar um evento como esse. Um casamento a altura de um vestido de Clodovil. Primeiramente a escolha da igreja, qual seria o templo sagrado a sacramentar tal casamento. Pensei e pensei, e eis-me a ideia:




.E EIS-ME A CAPELINHA D. ISABEL HERNANDES



"Porque não realizar a cerimônia religiosa na capelinha de D.Isabel, na Casa Clodovil Ubatuba?"
Eu mesmo adorei adorei essa idéia, que lugar fantástico para se realizar cerimônias religiosas de casamento. Aquela singela capelinha em meio a aquele jardim do Éden, tão verdejante paisagem tendo o azul do céu e do mar como complemento, seria a máxima representação da plenitude da beleza. Como nos claustros privados em grandes catedrais, a pequenina capela seria o altar, onde estariam o padre, os pais dos noivos e padrinhos. O padre a celebrar o casamento enquanto os demais convidados a testemunhar o enlace nos jardins da Casa Clodovil Ubatuba. Pensando bem seria uma ideia interessante realizar festas de casamento naquele lugar, seria uma possibilidade de arrecadar fundos para a Fundação Isabel Hernandes. Se há festas no palácio de Versalhes, porque não na Casa Clodovil Ubatuba.




 A MARCHA NUPCIAL A PROCLAMAR A CERIMÔNIA






E EIS-ME OS VESTIDOS DE CLODOVIL.

Mas o maior problema de todas a noivas é a escolha do vestido, agora, quanto mais difícil é escolher dentre esses Clodovís. Sonhemos com todos para que através da mentalização desses sonhos decidirmos pelo vestido ideal. Vejamos, então os modelos:





























OBSERVAÇÕES CLODOVÌS:

Ouso a contestar Clodovil em alguma de suas afirmações: Há de se poder casar com rendas e babados em cerimônia matrimonial nas areias das praias. O que não é recomendado são vestidos austeros e volumosos, com caudas e véus compridos. Sapatos de saltos, nem pensar. O ambiente pede algo mais despojado, leve e solto." Quem que ele se acha ser para contestar o maior costureiro que esse país teve?" Indagaram os maldosos. Respondo com uma certa segurança e competência de que posso, sim, tenho como comprovação esse blog, no qual desenvolvo a minha concepção estética. No mais, digo e repito o que é dito e repetido pela minha querida colega no video logo abaixo. E digo e repito mais uma vez...







 DANIAN

5 comentários:

Fê Iasi disse...

Ah como como conheço essa capela.. Trabalhei por mais de uma semana dentro dela e com chuva! Bjo meu lalique!

clodovilmemoriabrasil disse...

Sei de sua contribuição a aquele patrimônio cultural de Ubatuba. Seu nome perpetuará enquanto a casa existir.

Danian.

Anônimo disse...

A casa deveria ser aberta para visitação.

Anônimo disse...

é uma belissima casa, desde a entrada... em visita em ubatuba n fina de 2010, fiz questão de me levarem pra conhecer a casa do clodovil..... é um sonho.. infelizmente não pude entrar....p causa da justiça, so quem entrou fui eu e minha filha....mas é uma pena quererem demolir uma parte daquela casa tão maravilhosa......deve ser um museu sim.. uma linda casa. uma pessoa boa que nem era clo, era polemico pq nao gostava de ver coisas erradas... e foi muito criticado por isso... mas foi grand pessoa na historia...

Danian Dare disse...

Lamentavelmente alguns não pensam assim, é uma forma de querer mostrar que cumprem a lei. Porém não há leis quando se trata em destruir grande parte da floresta amazônica.
Obrigado pelo seu depoimento.